Terça-feira, 31 de Março de 2009

AQUI vale a Verdade…e a Transparência !!!

CRUZES … CRUZEIROS…Velas e Luzeiros…Vales  e Montes, Luas, Riachos,  Rios e Ribeiros… Silvas, Carvalhos, Pereiras e Pinheiros…Aguas e Fontes, Vales e Montes, Pedras e Ar , Neve e Luar, Saraiva e Tempestade, Mar e Bonança, Fogo e Liberdade , Viva a Vida, Vida Viva, viva…Justiça !!!

publicado por ANTITUDO às 18:50
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 27 de Março de 2009

RESPOSTA A ROMEU C. REIS










Caro senhor

O mais provável é que nem o conheça...


Não sei a sua idade mas se fala da descolonização deve já ter passado dos cinquenta anos...


Ou então fala de cor..


Não sabe o que isso foi...
Fique sabendo, pois parece desconhecer, que os Povos do Ultramar Português incluindo os "colonos" lá fixados (importa distinguir colonos de colonialistas... o que muita gente não faz por sofisma) todos aspiravam à autodeterminação e independência...Não fora assim os Estado Unidos da América e em toda a américa do norte, central e do sul não se teriam tornado independentes e .muito por força do Movimento Garibaldi ... a que modernamente se chama Bolivarismo (de Simon Bolivar...) Não se esqueça da intervenção de Che Guevara e dos cubanos na guerra do Congo Kinshasa -donde saiu vitorioso Mobutu sobre Lumumba e Moisés Tchombé...Não se esqueça da Intervenção Cubana em Angola , após a Dipanda ( em defesa do MPLA - usurpador do poder em Luanda em 1975) ... Não se esqueça de que o conflito recente na Guiné Bissau engloba gente ligada ao narcotráfico no Equador,Venezuela, na Colombia... zona das FARC e similares...
Não se esqueça que a Descolonização Portuguesa foi efectuada no periodo final da detente, logo,na pujança do imperialismo soviético-cubano ( não foi por acaso que nas ex-colónias portuguesas brotaram regimes pró soviéticos...) e por pouco .. não fosse o 25 de Novembro - Franck Carlucci, Pires Veloso, Ramalho Eanes e Mário Soares... seriamos mais uma "coutada" do imperialismo sovietico cubano sob a batuta dos SUV- "força força companheiro Vasco" /Otelo Saraiva de Carvalho...


Seria Bom que não esquecesse o historial das "FP 25"...
E que também se lembrasse
que em Africa apenas a Etiópia foi sempre independente, e que a Libéria foi o primeiro pais africano a se tornar independente, em virtude dos Estados Unidos no final do Sec. XIX terem adquirido o território para devolver à Africa os descendentes norte americanos dos escravos que quisessem regressar ao continente mãe... e que o Segundo País a ser independente em Africa foi O "Estado Livre do Orange" em 1902, na sequencia da Guerra dos Boers - africans brancos descendentes de holandeses e ingleses .contra Sua Magestade a Coroa Britãnica.. e mais tarde dando origem à Africa do Sul...
Portugal precipitou-se ao descolonizar atabalhoadamente .. e não foi por culpa de Salazar nem de Caetano que a descolonização foi vergonhosa...Mas sim por culpa dos" colonialistas metropolitanos" por culpa daqueles senhores fardados que viveram e engordaram à custa do regime do Estado Novo e que no dia seguinte ao 25 de Abril de 1974. já eram mais anti fascistas que os verdadeiros anti-fascistas que ainda estavam no exilio ou nas cadeias da Pide... essa gente do "revira casaca" ..que é o motor para os saneamentos politicos nas escolas e universidades, e nos quarteis, essa gente tem o sangue inocente nas suas mãos, das vitimas da descolonização mal feita, Portugal tinha condições de fazer outra descolonização (porém não beneficiaria a URSS, nem Cuba...), e se o não pudesse sozinho podia pedir auxilio às Nações Unidas... foi o que veio a fazer decadas mais tarde no caso de Timor Leste....
Senhor Romeu, sobre a Descolonização, diga toda a verdade ou não faça figura triste ( mas se quiser continue como quiser- estamos num país ainda livre..eh! eh! além de que devo a si ter podido rebater este tema...).. é que ainda há muita gente viva que sabe toda averdade e sofreu na pele os erros do Processo de Descolonização... Savimbi Morreu !!! Mas felizmente deixou livros escritos... E Savimbi não era colono, nem colonialista.... Ah! E ombreou com Che Guevara no tempo da Upa...

renato gomes pereira



Este texto abaixo foi publicado no Jornal Terras do Ave - versão on-line...

A África, a Guerra e a Democracia

Romeu C. Reis

A Guiné foi cenário há pouco tempo de mais um episódio dramático em que perderam a vida o presidente Nino Vieira e o chefe do Estado Maior das Forças Armadas.É um acontecimento sem dúvida para lamentar que, somado ao narcotráfico, ao rapto frequente de crianças, à corrupção, nos deixa a meditar sobre a consistência, ou inconsistência, da estrutura institucional do Estado guineense.Perante isto, houve quem fosse peremptório a afirmar de imediato que a Guiné é um Estado falhado; e não se ficaram por aqui, ensaiaram logo a explicação de que tudo se devia ao processo de descolonização.No seu parecer, países houve que, sendo anteriormente colonizados por outras potências, que agiram melhor que Portugal, não ficaram nesta situação de difícil governabilidade e democracia frustrada.Com isto, dir-se-ia que mais não se pretende que não seja repisar a velha acusação de toda a direita portuguesa de que os processos de descolonização das colónias portuguesas foram um fracasso, por culpa dos que detinham o poder político no período que se seguiu ao 25 de Abril.Sobre isto, e para não nos alongarmos muito e não nos repetirmos também, lembremos apenas que descolonizações como as que ocorreram nas colónias portuguesas não são feitas unilateralmente pelo colonizador, nem se cozinham com ingredientes à escolha do cozinheiro. Em Angola, Moçambique, Guiné, Timor havia forças organizadas e armadas que controlavam já partes importantes dos respectivos territórios, e este factor exigia também que todas as descolonizações fossem negociadas de imediato e negociadas todas ao mesmo tempo, por ser insustentável para o país prolongar a situação de guerra e porque o colonialismo viola o direito internacional, e o novo regime democrático só podia agir de acordo com o direito internacional, sob pena de se desacreditar como regime.Os portugueses têm obrigação de saber que as descolonizações não se fazem quando se quer e como se quer, e, se porventura se esqueceram, lembrem-se do que aconteceu com Goa, Damão e Diu (o Estado da Índia, como a ditadura lhe chamava) que, no espaço de uns dias, foram ocupados pela Índia, sem que sequer nos tenham pedido licença para isso, vejam lá. Pior descolonização do que esta, concordarão os comentadores a que nos estamos a referir, é que certamente não há!Mas, voltando à Guiné e à sua situação actual, convém que os referidos comentadores não se esqueçam, pelo menos, de olhar em volta para os demais países africanos, porque, o que se vem escrevendo sobre a falência da democracia e do Estado guineense pode ser dito, e é-o efectivamente, da generalidade desses países.O que é preciso é ter presente que nestas questões tem que se ter em conta aquilo a que se pode chamar o espaço/tempo histórico-económico-civilizacional. Tal como não podemos pegar nos modos de produção e nas instituições económicas e políticas de uma sociedade tribal e aplicá-las numa sociedade capitalista desenvolvida, também o contrário não pode ser feito.A cada fase do desenvolvimento económico dos povos correspondem formas próprias de organização da economia, das instituições sociais e das estruturas do poder político.Na generalidade dos países africanos, o desenvolvimento industrial é muito incipiente e não há perspectivas de que a situação se modifique a curto, a médio e mesmo a longo prazo; não há uma vasta burguesia que faça da democracia ocidental a sua bandeira, como forma de combater as formas de exercício do poder anteriormente vigentes e impor instituições que potenciem o estabelecimento de relações de produção capitalistas.Tal só poderá vir a acontecer se antes se registar um longo percurso de desenvolvimento.Mas, para mal dos africanos, os seus países, saqueados e ressaqueados, por colonialistas e neocolonialistas, vivem, na sua maioria, em quase completa estagnação.Em vez de saúde e comida, querem-lhes dar democracia capitalista, mas parece-nos que eles só a aceitariam… … se isso fosse de comer…
publicado por ANTITUDO às 11:08
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 26 de Março de 2009

ARGIVAI – por si…

 

É AQUI…  Antes da demolição do Salão Social de Argivai

ARGIVAI

padrão

Aqui é o Largo do Padrão- ao Centro o já demolido Salão Social

publicado por ANTITUDO às 18:18
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 19 de Março de 2009

Afirmo eu que sou Pereira

 

pereira1b

Pereira1a

 

Cada dia que passa mais se afirma a Verdade indesmentível da realidade

deixando desarmados os políticos da situação e da oposição… O liberalismo económico, o intervencionismo estadual, A TEORIA DA CONVERGÊNCIA DOS SITEMAS SOCIALISTAS E CAPITALISTA..o falhanço redondo da terceira via de Tofler.. Tudo isto mostra que a Natureza é tal como sempre foi..Renasce em cada Primavera, numa dialéctica imutável, quase que numa contradição em harmonia…”Olhai os Lírios do campo…” Por isso se  a banca está doente curai-a mas não a mantenham artificialmente viva.. se é incurável dai-lhe o tempo necessário par ir à falência , os bancos e os clubes de futebol não devem ser subvencionados…A subvenção e o subsidio perturbam a ecologia necessária a qualquer sistema económico…

publicado por ANTITUDO às 10:00
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Quarta-feira, 18 de Março de 2009

Folclore de Argivai

 

publicado por ANTITUDO às 19:38
link do post | comentar | favorito

AS TAÇAS da UDCArgivai…

 

AS Taças da UDCARGIVAI foram com muito carinho e dedicação colocadas em prateleiras no Salão Social de Argivai . Lá estavam os prémios das entidades que deram origem pela fusão à União_ todos Juntos conforme o Acordo de Fusão em que foram também intervenientes a Junta de Freguesia de Argivai e a Câmara Municipal da Póvoa de Varzim.Tudo correu bem e até quem quer que nos visitasse era motivo de orgulho mostras tantas taças e troféus que causava no visitante admiração e respeito pela nossa Terra...Só que não há bela sem senão... Ninguém pediu autorização aos donos das taças ( os sócios da UDCA) nem sequer houve deliberação da Direcção para retirar as referidas taças...Mas uma qualquer intitulada Comissão de Comemorações da História de Argivai, porque queria fazer no Salão Social de Argivai uma exposição sobre "1050 Anos de História" achou por bem retirar toda aquela "parafernália" ( esquecendo que ali estavam representados mais de trinta anos -os últimos--da História de Argivai).para eles era urgente que se escondesse a Glória da UDCArgivai...Porque razão interpretem os leitores....MORAL DA HISTÒRIA--Jazem no meio do lixo, pó e demais humidade numa arrecadação sem sol suficiente e brilho, todas aquelas taças, troféus e demais prémios com muito suor conquistados pelos Atletas de Argivai em todas as modalidades...que para lá foram atirados  por uma qualquer vontade obscura e inconfessada....
      Estamos enganados?  Quem as retirou que as ponha no lugar de onde nunca deveriam ter saído.. Pelo menos é essa a sua obrigação moral....        

publicado por ANTITUDO às 13:51
link do post | comentar | favorito
Sábado, 14 de Março de 2009

ANGOLA

ANGOLA MINHA

angola01

publicado por ANTITUDO às 09:26
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 13 de Março de 2009

PARA ANGOLA .. e em Força?

 

    • seccoes54411853672tardou

 
  1. .

 
   

FALHOU

 

publicado por ANTITUDO às 11:05
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 6 de Março de 2009

Eventos -Noivos


publicado por ANTITUDO às 10:18
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 5 de Março de 2009

...

93 F. P - Mas houve ou não uma estratégia deliberada de algum dos três movimentos para obrigar os brancos a abandonar Angola?
A.M. - Eu julgo que não, ao nível de decisão das suas direcções. Mas não sei até que ponto as facções mais racistas de cada movimento (falo de alguns dirigentes e quadros) não teriam influenciado certos acontecimentos.
Verificaram-se situações e sentimentos extremamente contraditórios naqueles conturbados anos. Desde 1974 e sobretudo início de 1975 que havia militantes brancos em cada um dos três movimentos - até havia famílias em que as pessoas estavam repartidas pelos três movimentos. Aliás, ocorreu uma coisa curiosa. Em 1974/1975, os movimentos mais antibrancos, isto é, a FNLA e a UNITA, foram os que se mostraram mais abertos à entrada de brancos nas suas fileiras como militantes e quadros. Subitamente, a FNLA chegou a ter muitos brancos - talvez mais do que o próprio MPLA - possivelmente porque a FNLA não tinha implantação urbana e, como tal, precisava dos brancos para se implantar nas cidades. Além disso, a FNLA estaria ideologicamente mais próxima da maioria dos brancos (pelo contrário, o MPLA representava o «papão comunista»).
Como disse, a guerra civil despoletou, em Julho de 1975, um êxodo que foi crescendo até se tornar maciço em Outubro e Novembro. Os desmandos nas zonas controladas pela UNITA e pela FNLA fizeram fugir os brancos em direcção ao litoral ou à Namíbia (então Sudoeste Africano). Mas as exacções podem não ter sido emanação das direcções desses movimentos, em colectivo, mas sim de alguns dirigentes e quadros médios ou de militantes de base no sentido de afugentar os brancos para se apropriarem dos seus bens.
Em Luanda, apercebi-me de que a maior parte dos brancos teria a intenção de voltar, só que as circunstâncias no pós independência não lhe facilitaram o regresso. Por exemplo, logo a seguir à independência, o governo do MPLA publicou um decreto pelo qual nacionalizava os bens de todos os indivíduos que no espaço de quarenta e cinco dias não estivessem presentes em solo angolano. A maioria dos brancos não teria conseguido regressar em quarenta e cinco dias mesmo que a situação de segurança em Angola se tivesse normalizado. Isso teve influência decisiva na opção da maioria dos brancos permanecer em Portugal, no Brasil, na África do Sul ou em qualquer dos outros países que acolheram os refugiados brancos de Angola. Refira-se que, mesmo sem o tal decreto, muitos desses bens começaram a ser tomados por indivíduos, normalmente familiares de gente ligada ao poder (sobretudo membros da DISA - a polícia política, das FAPLA - as Forças Armadas, etc.). Acrescente-se que a facção de Nito Alves, que vinha a ganhar significativas posições no seio do MPLA, desde meados de 1974, começou a impor-se no aparelho do Estado e tinha um discurso e uma prática cada vez mais radicais de apelo à «verdadeira revolução» e às «massas populares», com a exclusão obrigatória (ou mesmo esmagamento) dos «burgueses» e «pequeno-burgueses», que eram invariavelmente conotados com a cor da pele, visando-se os mestiços e os brancos. Através da imprensa angolana daquela época pode-se avaliar como a linguagem e os actos políticos daquela facção eram eivados de alusões raciais.
94 F. P. - Durante o ano de 1975, face ao desenrolar dos acontecimentos, as elites brancas de Angola - as chamadas «forças vivas», isto é, as direcções das associações económicas e as chefias políticas e militares locais herdeiras da administração colonial - permaneceram, aparentemente, apáticas. A única excepção parece ter sido o Coronel Gilberto Santos e Castro, relacionado com círculos da direita portuguesa no exílio, que comandou o célebre Exército de Libertação Português (ELP). Como é que isto se explica?
A. M. - Eu penso que as elites brancas foram surpreendidas quer pelo próprio 25 de Abril de 1974, quer pela rapidez como os acontecimentos se sucederam. Daí que não tenham tido capacidade de resposta e força suficientes para tentar impor uma solução que lhes conviesse politicamente. Também não creio, dada a sua prática anterior, que estivessem politicamente preparadas para tal. E é claro que após os Acordos de Alvor, já estabelecida a data da independência, ficaram drasticamente reduzidas as margens de manobra para qualquer movimentação visando realizar uma independência favorável aos interesses brancos instalados. Eram também impossíveis as veleidades de contrariar a próxima independência de Angola.
Contudo, logo após o 25 de Abril de 1974, houve movimentações no sector branco da população, tendo algumas continuado até à proclamação da independência. Uma grande parte das elites brancas dos planaltos procurou instrumentalizar a UNITA, lançando-a como terceiro movimento; outros foram apoiar a FNLA e alguns outros — inclusive o próprio Fernando Falcão — iriam colocar-se ao lado do MPLA, depois de uma efémera tentativa de relançamento da FUA. A ala reaccionária dos brancos, liderada pela PIDE e pelo Coronel Gilberto Santos e Castro, organizou-se como força militar de apoio à FNLA. Santos e Castro recrutou uma série de militares - comandos - e pides portugueses e angolanos, armando-os com o apoio da CIA. O objectivo deles, em 1975, não seria o de instaurar um poder branco (tal já não se podia pôr nem como hipótese), mas de implantar um poder favorável à África do Sul e, quiçá, fazer de Angola uma base de rectaguarda de forças reaccionárias portuguesas para um futuro combate ao novo regime de Portugal.
Parece evidente que o objectivo de Santos e Castro, em Angola, era derrotar o MPLA, que era apresentado como agente do comunismo soviético. Neste sentido, em Novembro de 1975, o ELP entrou em Angola pelo Norte, conjuntamente com as forças da FNLA e do exército zairense, numa tentativa de tomar Luanda antes da data de independência, mas foram todos travados à porta da capital, no Panguila, pelas forças do MPLA, reforçadas pela artilharia cubana, que desempenhou um papel fundamental. Pelo Sul tinham entrado tropas sul-africanas que foram detidas no Ebo, Kwanza Sul, por forças militares cubanas (aí morreu um general cubano). Face à derrota do Panguila, apenas a quinze quilómetros de Luanda, o ELP deslocou-se para o Centro, apoiando a ala de Chipenda, que partilhava o poder com a UNITA e a FNLA no Huambo, na proclamada «República Democrática de Angola».
Posteriormente, o recuo estratégico do Secretário de Estado norte-americano, Kissinger, alterou a pressão sobre o MPLA e levou à retirada dos sul-africanos em finais de Março de 1976. Estava selado o destino dos apoiantes de Santos e Castro que retiraram para a África do Sul, via Sudoeste Africano (actual Namíbia). Convém acrescentar que embora o ELP tivesse simpatias em alguns sectores da população branca de Angola, nunca teve o apoio da maior parte desta população (pelo menos da grande maioria dos brancos nascidos em Angola que não se reviam nas soluções aventureiras e militaristas representadas por Santos e Castro).
publicado por ANTITUDO às 10:57
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28


.posts recentes

. ...

. TAP … VOA PORTUGAL

. TAP … VOA PORTUGAL

. VAP–Veritas Agência Press

. VAP–Veritas Agência Press

. INJUSTIÇA–FALTA DE JUSTIÇ...

. INJUSTIÇA–FALTA DE JUSTIÇ...

. PRESÉPIO EM ARGIVAI–CAFÉ ...

. PRESÉPIO EM ARGIVAI–CAFÉ ...

. Estranhas formas de vida

.arquivos

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds